Festa do centenário

20:20:00

Há dois meses, num almoço na casa da minha mãe, comentávamos sobre o aniversário do meu avô, imaginávamos reunir toda a família, filhos, netos, bisnetos e tataranetos do “Seo” Alcides. Era um sonho.

Vistos os detalhes e as ações necessárias a serem realizadas “arregaçamos as mangas” e fomos para a luta. Idéias mais idéias foram aparecendo. Indagações e dúvidas não faltaram, mas a persistência e o amor com que organizávamos superavam qualquer falta de tempo.

Pouco a pouco arrumamos um local ideal para a festa: uma chácara, o buffet, a decoração, a mestre de cerimônia (uma oradora excelente), um vídeo animado com fotos das pessoas, que foi produzido brilhantemente e lembrancinhas feitas com amor e de maneira artesanal para ser entregue para a segunda geração do Vô Alcides, seus filhos.

Os parentes todos foram avisados e compareceram. O roteiro ficou pronto apenas algumas horas antes da festa, mas a emoção compartilhada foi imensa e o prazer de olhar para aquelas pessoas que almoçavam todas juntas pela primeira vez superou as minhas expectativas.

Meu avô, um senhor de três dígitos na idade, de dez décadas bem vividas se emocionou. Foi a sua primeira festa de aniversário. Eu olhava para ele e via suas lágrimas rolarem e pensava: “quantas vezes ele nem foi cumprimentado em seu aniversário? Quantas vezes derramou suor e teve que trabalhar de maneira árdua em dias que deveriam ser festivos?”

Pela primeira vez ele apagou velas no aniversário e escutou um “parabéns a você” entoado por todos os seus descendentes para ele. Pensei ainda, “quantos idosos abandonados em asilos, sem amor, sem carinho, sem memória e ele podendo receber o nosso carinho e a nossa satisfação de tê-lo como patriarca”.

Um homem com a idade dele já experimentou tantas coisas, emoções e sensações, mas foi capaz de ser surpreendido.

Ele terá ainda mais uma experiência inédita no próximo dia 14 de dezembro, será “diplomado”, terá uma espécie de “formatura”, será homenageado com o título de cidadão barbarense e receberá a medalha Dona Margarida.

Embora não tenha freqüentado nenhum banco escolar, acredito que este certificado que ele vai receber é a 'paga" por ter tirado nota máxima na escola da vida, por ter se graduado em caráter e ser um homem cuja honra serve de exemplo para todos que o rodeiam. Este é o meu avô.

VOCÊ PODE GOSTAR TAMBÉM

3 comentários

  1. Eliel você é um anjo enviado pelo Senhor. Que emocionante esse depoimento...nossa, faltam palavras.
    Mais uma vez, você fez com excelência e deu o seu melhor.
    Creio que o coração de Deus está transbordando de alegria.
    Parabéns! Pelo o que eu li, todos da família estavam ajudando, que preciosidade.
    Sucesso: hoje, amanhã e sempre!

    ResponderExcluir
  2. Poxa q lindo!
    Com certeza ele merece!
    Parabéns pela atitude!

    ResponderExcluir
  3. Realmente, a festa superou a expectativa de todos da família. Eu como um dos netos do senhor de 100 anos, não consegui segurar a emoção, chorei como um bebê...
    Com certeza, todos que presenciaram levarão boas recordações para toda a vida, além da energia positiva que pairava naquele ambiente.

    abraço mano e a cada dia você escreve melhor.
    Carlos

    ResponderExcluir

Obrigado. Fica com Deus.

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Seguidores

Acreditar

Acreditar