LOUCURA

08:00:00


É acreditar no que se deseja sem realmente conferir as evidências. É fantasiar o irreal e viver mais no mundo imaginado do que no mundo verdadeiro. É insistir em enxergar com menos capacidade do que se é possível.

É alucinação que envolve muitas pessoas, fatos e vidas sem existir relação e pertinência com o que realmente há. É poesia torta, não apenas escrita sem lógica, mas também forçosamente vivida em plenos pulmões.

É sedução muda, que seduz o próprio louco. É perder-se na prisão dos próprios pensamentos. É judiação feita com a própria mente. É miragem em pleno asfalto. É sede ou fome de algo que não é possível nunca satisfazer.

É desmedido tamanho de insanidade, com que se baila o ilusório na cama ou em plena estação de trem ou em cima de uma bicicleta. É o resmungar e o falar baixo para si mesmo. É a demência dos sentidos. É paz no isolamento. É conspiração individual.

É corpo sem mente. É vazio na abundância. É desconexão. É sofrimento sem causa. É ação sem querência. É vontade dirigida para o nada. É fixação. É serventia inútil pela perda do objeto. É falta de orientação ou disfunção. É ausência de razoabilidade.

É riso sem motivo. É arrepio sem frio. É delírio sem febre. É distorção do que se enxerga. É crença no que se quer. É sofrimento. É o fechar dos olhos. É o viver sem noção. É alienação. É exílio. É solidão na multidão. É multidão no isolamento.

É paixão por causas menores. É desalento no fracasso. É força na insistência. É tratável, mas a recaída sempre é certa. É natural. É alinhavada nas teias do improvável. É causa de espanto. É elemento imprescindível em quaisquer histórias que sejam dignas de serrem narradas.

É perda dos padrões. É doença no corpo, na mente e na alma É produção altiva. É boa e ruim. É louvável, quando na ação necessária se exige falta de raciocínio, requisito intrínseco da loucura. Na guerra ajudou o lado vencedor e também motivou os derrotados a não perderem a dignidade.

Loucura é sentida, na descrição fica pobre e marginalizada. Embora a história narre, na biografia de grandes homens, muitos e intensos acessos de demências. É na loucura que se cria e nela que se destrói. É nela que há progresso e extermínio. É nela que de quando em quando se vive e com certeza é nos braços da loucura que se parte para o mundo das fábulas.

VOCÊ PODE GOSTAR TAMBÉM

0 comentários

Obrigado. Fica com Deus.

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Seguidores

Acreditar

Acreditar