Despedida que não se despede

01:35:00



Parti com melancolia danada, exigida,

Das profundezas retirei um grito mudo,

Ouvia a minha própria voz e ela nada dizia,

Fui do tanto ao improvável, desapareci,

Ainda que me enxergassem, fui sepultado,

Tornei-me incrédulo de mim mesmo,

E confesso que abismado, em silêncio,

Esfriou a minha carne, gelou a minha alma,

E percebi que era uma despedida forçada,

Não fazia sentido, mesmo assim era real,

Por algum motivo morri, ainda estando vivo,

Agora o novo surgia e nada mais importava.



VOCÊ PODE GOSTAR TAMBÉM

0 comentários

Obrigado. Fica com Deus.

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Seguidores

Acreditar

Acreditar