Obrigado, muito obrigado.

12:40:00


Quantos “muito obrigado” você já recebeu e quantos outros você também já ofereceu? Com certeza foram centenas, alguns tenho a convicção de que o seu coração estava realmente agradecido, mas outros tantos creio que foram proferidos apenas por educação.

É uma regra moral, social, secular, tacitamente promulgada e não escrita em nenhuma tábua que se deve falar obrigado ou um muito obrigado depois de ser agraciado com um favor, uma bondade, uma solidariedade ou um “jeitinho”, que por vezes também não deixa de ser uma ato altruísta.

O muito obrigado é uma expressão de contentamento e de alívio, sobretudo de gratidão. Porém, o obrigado também pode ser a assinatura de um “vale-algo”, de um passaporte para qualquer lugar, ou de um cheque em branco, daqueles que não se desconta nos caixas de instituições financeiras, mas que a falta de provisão acarretará, no credor, uma revolta muito maior do que o pobre e podre dinheiro poderá abrandar e no devedor, mais cedo ou mais tarde uma dor, ainda que seja de cabeça.

No ambiente familiar, temos os filhos que tantas vezes dizem obrigado aos pais, mas na hora destes quererem a paga pelas bondades feitas recebem o nada, o desprezo, a indiferença. Neste instante todos os amigos, colegas e demais conhecidos comentam a maldade do filho e sua ingratidão.

No âmbito social, a situação não difere muito. O namorado que é solidário com a namorada, o marido que ajuda a esposa, a chefe que ajuda o subordinado, os amigos de campanha do políticos, os vizinhos etc. Todos são solícitos, bonzinhos, altruístas e ainda que não declarem, que até mesmo neguem com suspiros dizendo: “deixa pra lá”, “imagina, não é nada”, “amigo é para essas coisas”, “as ordens”, “a disposição” etc, eles acreditam que um dia poderão contar com os “muito obrigado” que receberam. Ledo engano.

O enunciado do obrigado, caso tivesse um, seria mais ou menos assim: “a gentileza está para o obrigado, tal como o obrigado está para a ajuda recíproca, sendo a relação obrigado/ajuda recíproca uma dízima periódica”.

Quando Jesus Cristo andou pela terra, ele deixou muitos ensinamentos e um deles foi sobre a gratidão, dizia ele que devemos fazer o bem sem olhar a quem e que o bem recebido com um outro bem deveria ser pago. A aceitação deste postulado é o reconhecimento da ajuda através da própria ajuda, consagrada na palavra de aceitação, que é o obrigado.

Com este pensamento todo quero pontuar que o obrigado é do bem, bom, justo e necessário, mas que deveria ser um crédito ou uma moeda de troca só para coisas moralmente aceitas. Deveríamos criar campanhas conscientizadoras do favor lícito e possível em troca de alguns obrigados.

Caso fosse possível uma campanha em prol a causa do obrigado transparente e benigno, até vejo a cena, que seria pitoresca, todo mundo vestido de azul, porque o azul e a cor do céu, lugar para onde todos gostariam de ir. As camisetas exibiriam na frente duas mão que se tocam dentro de uma bacia dourada cheia de água e nas costas uma mulher lavando o rosto, a fim de remeter as pessoas que precisariam ser orientadas do provérbio popular: “uma mão lava a outra e a duas lavam o rosto”. A mulher seria propositalmente colocada, pois segundo o senso comum ela é mais educada que os homens, logo deve também falar mais obrigado, possibilitando mais créditos aos ventos.

É claro que poderíamos ter pessoas com reações contrárias a grande campanha, surgiriam políticos enraivecidos, que colocariam suas faces gordas ou magérrimas, suas silhuetas redondas ou seus corpos esguios em frente as câmeras e gritariam impropérios. No entanto a voz amiga da tolerância inteligente apareceria de outras fontes, algumas angelicais, outras oportunistas e a tese poderia ser aceita, logo teríamos ganhado o mundo e em todas as línguas haveria de ser disciplinado o uso do obrigado e do muito obrigado. No dia em que fosse consolidada a conscientização e que a expressão de agradecimento restasse abraçada pela prudência haveria de ser decretado o dia mundial da conscientização do obrigado.

Bem, assim chegamos ao final desta nossa pequena tese. Ainda que você não tenha se resignado, estas palavras ecoarão no teu cérebro em todos os obrigados que você disser e muito mais quando você tiver que retribuir um favor. Por enquanto é só. Deus lhe pague.

VOCÊ PODE GOSTAR TAMBÉM

0 comentários

Obrigado. Fica com Deus.

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Seguidores

Acreditar

Acreditar