Feliz Dia dos Pais

19:55:00


Era uma sexta-feira. No domingo seria o segundo domingo do mês de agosto. Portanto, seria comemorado dia dos pais. A tarefa passada aos alunos seria trazer o homem mais velho que fosse pai. O pai mais velho se quisesse passaria uma mensagem, exortando aos presentes o que era ser pai. O aluno que tivesse levado o pai mais idoso ganharia um prêmio surpresa.

O salão de eventos da escola estava repleto de senhores, com cabelos grisalhos, alguns de óculos, outros com bengalas e com expressões sérias no rosto. Olhar para o semblante daqueles senhores era incrível, alguns demonstravam impaciência, cumpriam ali um favor a um neto, sobrinho-neto ou para uma criança da vizinhança. Porém, alguns estavam adorando aquela homenagem e falavam uns aos outros sobre suas idades, a fim de verificar suas chances de ser o pai mais velho.

A cerimônia de homenagem começou, teve coral, pequenas histórias, frases e danças. Até que chegou o grande momento daquela tarde, que era descobrir quem era o pai mais velho ali presente. A mestra de cerimônia começou dizendo para que todos que fossem pai levantassem as mãos, muitos levantaram, depois ela disse que os que tinham abaixo de setenta anos poderiam abaixar as mãos, um porção de mãos foram abaixadas. Ficou cerca de dez senhores com os braços levantados, dai ela disse que quem tivesse menos de noventa anos poderia abaixar as mãos, sobraram apenas dois senhores.

Os presentes aplaudiram aqueles anciães, ambos eram magros, tinha expressões serenas. Os dois foram chamados para irem até o palco. Como eles estavam sentados perto se deram as mãos e foram andando com passos lentos até a escada que dava acesso ao palco.

No palco a moça que apresentava o evento falou palavras bonitas sobre a paternidade e disse que nem importava naquele momento qual dos dois senhores era o mais velho, mas se eles tinham alguma mensagem para passar, os dois disseram que tinham. Foi arrumado mais um microfone e a palavra foi passada para aqueles homens.

O primeiro homem disse “boa tarde”, todos responderam, inclusive o outro ancião, depois foi à vez do segundo homem dizer “boa tarde”, todos responderam, inclusive o primeiro idoso.

As cenas seguintes foram um verdadeiro diálogo, o primeiro idoso falava e o segundo respondia, como um jogral previamente ensaiado.

Primeiro idoso (P.i.): - A terra é chamada de mãe e o céu é chamado de pai.

Segundo idoso (S.i.): - Tudo que é tirado das entranhas da mãe tem um pai.

P.i. : - Lute para achar algo que não seja assim, mas já previno, dificilmente encontrarás.

S.i. : - A responsabilidade da mãe, segundo dizem é a de por no mundo, de cuidar, velar para que o filho, sua criatura, fortaleça-se e permaneça no mundo. Mas eu duvido disso.

P.i. : - A obrigação do pai, segundo dizem é a de ser presente, mesmo quando ausente. Verdadeiros pais, ainda que mortos, continuarão a educar seus filhos, com seus exemplos. Disso eu também duvido.

S.i. : - O pai não precisa ter uma força que vá além da sua natureza humana, nem precisa de sabedoria, que ultrapasse as montanhas ou que vá muito além dos livros, muito menos necessita demonstrar um carinho que transcenda sua imaginação.

P.i. : - O pai não precisa ser forte, nem ser bonito, mas tão somente ser pai. O normal na vida é o homem ser pai. Só não é pai que não quis ter esta responsabilidade. Pai não é só o biológico.

S.i. : - O pai não precisa ser amigo, ter caridade para cuidar do próximo ou amor para abraçar e fazer o bem.

P.i. : - Pai não precisa ser honesto, nem verdadeiro, nem trabalhador, nem preto ou branco.

S.i. : - O pai não precisa escrever um livro, compor uma música, ir à igreja, assistir ao filho jogar futebol ou ser calmo.

P.i. : - O pai pode ser violento, pode ser sujo, ateu, ignorante e cheio de preconceitos.

S.i. : - O pai pode ser fedido, chorão e depressivo.

P.i. : - Eu nasci em um lugar pouco povoado. O meu pai foi ótimo, nunca me disse eu te amo. Batia-me após bebedeiras. Mas eu adorei o pai que tive.

S.i.: - O meu pai durou pouco, faleceu quando eu tinha só seis meses de existência. Mas ele precisava morrer. Tudo o que eu aprendi com “ele” foi pela boca da minha mãe, o meu pai, na verdade, foi a minha mãe.

P.i. : - Quando eu me tornei pai, compreendi o meu pai e agradeci muito pelos seus exemplos.

S.i. : -O meu "pai" foi uma “heroína”, cuidou de mim e dos meus irmãos, sempre alegre, sorria por qualquer bobagem e me chamava de jóia.

P.i. : - Hoje eu sei o que é ser pai. É ser nós mesmos. No exato instante em que passei a ser pai eu não mudei, continuei igual, com meus defeitos e acertos, com meu salário, com minhas aflições e trejeitos, feios ou bonitos. Permaneci como eu era.

S.i. : - Eu fui um pai feminino, essa era a minha referência. Meus filhos sempre me adoraram e eu sempre procurei retribuir tanta generosidade.

P.i. : - Comemorar o dia dos pais é bonito, mas é preciso não endeusar quem sempre vai ser humano, limitado, fraco e mortal.

S.i. : - O nosso pai é o pai que merecemos ter. Foi nos dado. Temos que respeitar e aprender a lição que nos foi passada.

P.i. : - Por isso que eu disse tudo aquilo no começo, pai pode ser um exemplo moral ou não.

S.i. : - Pai não escolhe ser pai de um filho determinado, simplesmente é.

P.i. : - O ser humano vai ser um pai na qualidade e proporção que lhe é permitido ser, em razão da sua capacidade mental, espiritual e física.

S.i. : - Pai tem mérito só pelo fato de ser pai.

P.i. : - Não exija qualidade, reconheça suas expectativas como filho. Não coloque culpa nos ombros de quem não tem.

S.i. : - Ser pai é excelente, mexe com as emoções.

P.i. : - Não importa a conta bancária, pai vai ser bom e ruim.

Nesse momento o segundo idoso foi ao encontro do primeiro idoso o abraçou e disse em alto e bom som, “feliz dia dos pais”.

A plateia que até agora estava em silêncio ficou eufórica com aquele duplo discurso, de uma só voz. Aplaudiram os idosos em pé. As pessoas não se contiveram e subiram no palco para abraçar aqueles senhores e logo eles foram cercados pelos presentes, sumiram no meio da roda que se formou.

Passado um tempo, a organizadora do evento pediu para que as pessoas retornassem aos seus lugares para que fosse possível encerrar o evento. Após as pessoas descerem lentamente a mestra de cerimônia ficou sozinha no palco.

Então ela pediu que os senhores que haviam acabado de falar retornassem ao palco, mas ninguém sabia para onde eles haviam ido. O espanto foi geral, Foi perguntado quem havia trazido aqueles anciães e ninguém se manifestou. O silêncio foi geral.

Depois de algum tempo o evento foi encerrado, cada um daqueles que estavam presente retornaram para suas casas com suas próprias convicções. Alguns diziam que Deus tinha estado ali, outros diziam que eram anjos. A verdade é que não importa quem você seja, você pode ser pai ou não. Também não importa a qualidade das suas atitudes como pai, o importante é ser instrumento de um bem muito maior do que o cérebro humano possa imaginar. Ser pai é simplesmente divino.

VOCÊ PODE GOSTAR TAMBÉM

0 comentários

Obrigado. Fica com Deus.

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Seguidores

Acreditar

Acreditar