Adrenalina

06:40:00


Ele praticava espeleologia há muito tempo, estava sempre em busca do próximo desafio, fugia de lugares que fossem irritantemente seguros, preferia os que apresentassem dificuldades.

Após vencer os obstáculos, as fendas, as minúsculas aberturas, as rochas úmidas, o calor sufocante ou o frio cortante ele sentia-se realizado por um tempo, mas muito pequeno, pensou muito sobre isso e decidiu que era hora de procurar outra atividade que “injetasse” mais adrenalina em seu corpo.

Em pouco tempo estava matriculado em um curso de salto de paraquedas. Após algumas aulas efetuou o seu primeiro salto, foi um sucesso, outros vieram e logo o mesmo desânimo abateu sobre ele. Tudo era muito seguro.

O tempo passou e ele foi aprender mergulho em áreas inóspitas do mar, adorava a sensação de que a qualquer momento poderia ser estraçalhado por aqueles “peixes” enormes e rápidos, mas a atividade demonstrou também segura e logo deixou de ser interessante.

A vida transcorria, de esporte em esporte ele passava sentindo que faltava algo, praticou muitos, desde trekking em terrenos com dificuldades acima do apropriado até rafting em águas muito perigosas e traiçoeiras. Ao que tudo indicava ele queria sentir o bafo da morte sem que ela o mordesse.

O adolescente, tornou-se jovem e o jovem ficou idoso. Em uma cama de hospital, ao som de música clássica aos oitenta e sete anos o ex-aventureiro abandonou a vida, de maneira bem diferente das que ele imaginava que seria.
Por fim, sentiu-se um vencedor e entregou-se com a graça de um homem nobre, sua expressão estava serena e enfim em paz, pois sua busca pela próxima atividade havia acabado para sempre.

VOCÊ PODE GOSTAR TAMBÉM

0 comentários

Obrigado. Fica com Deus.

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Seguidores

Acreditar

Acreditar